Coronavírus: ‘Ansiosos para ajudar’, médicos cubanos ainda aguardam convocação

Médicos cubanos que permaneceram no país após o término de sua participação no programa Mais Médicos estão “ansiosos” para voltar ao trabalho e ajudar na contenção do coronavírus, disse à BBC News Brasil Niurka Valdes Perez, representante desses profissionais. Embora o governo de Jair Bolsonaro já tenha anunciado que vai convocá-los, ela diz que o chamado ainda não ocorreu.

Segundo Perez, que preside a associação de médicos cubanos que ficaram no Brasil (Aspromed), há cerca de 2 mil profissionais que continuam no país. Sem poder exercer a profissão, muitos vivem de bicos e trabalhos informais. Eles se dividem em três grupos: os que se naturalizaram brasileiros, os que receberam o direito de residência permanente, e os que ficaram na condição de refugiados. Já a Embaixada cubana em Brasília diz que parte deles já retornou à Cuba, restando cerca de 1,6 mil no Brasil.

O Ministério da Saúde anunciou que vai contratar 5.811 profissionais para reforçar o enfrentamento ao coronavírus, com contratos de um ano de duração. O primeiro edital de convocação, no entanto, exige que a pessoa tenha registro no Conselho Regional de Medicina (CRM). Essa exigência exclui a imensa maioria dos médicos cubanos, que não possui o Revalida (exame para revalidar diplomas de medicina obtidos em outros países).

À BBC News Brasil, o ministério disse que os médicos cubanos só serão chamados na terceira convocação, prevista para ocorrer na próxima semana ou na seguinte. A previsão é de contratar cerca de 1,8 mil cubanos.

A primeira convocação, aberta até este domingo, está registrando grande procura. Até quinta-feira, já havia 7.167 inscritos. No entanto, a participação desses interessados só será confirmada após a verificação de documentos. Em convocações anteriores, houve também desistência de médicos brasileiros depois da distribuição pelas cidades do Brasil. Por isso, o Ministério da Saúde acredita que haverá convocação de cubanos.

Os médicos contratados na primeira convocação devem começar a trabalhar em abril. A bolsa-auxílio será de R$ 12,38 mil.

Niurka Valdes PerezDireito de WALDEMIR BARRETO/AGÊNCIA SENADO
Perez, que preside a associação de médicos cubanos que ficaram no Brasil (Aspromed), há cerca de 2 mil profissionais que continuam no país. Sem poder exercer a profissão, muitos vivem de bicos e trabalhos informais.

‘Estamos sendo excluídos’

O governo cubano encerrou sua participação no Mais Médicos em novembro de 2019, logo após a eleição do presidente Jair Bolsonaro, em reação aos ataques dele aos profissionais de Cuba durante a campanha. Naquele momento, havia mais de oito mil médicos cubanos no país, cerca de metade do contingente do programa.

Porém, no final de 2019, o Congresso aprovou a reintegração dos médicos cubanos que permaneceram no Brasil ao Mais Médicos. Isso foi incluído pelos parlamentares na lei que criou o Médicos pelo Brasil, novo programa do governo federal que deve substituir futuramente o Mais Médicos e que é voltado apenas a médicos com CRM. Por isso, desde o início desse ano os cubanos estão na expectativa de serem recontratados.

“A ansiedade para trabalhar e ajudar está muito grande”, disse Perez à reportagem. “Estamos vendo que estamos sendo excluídos, até porque o país nesse momento está em uma emergência e eles não usam nós dentro do Mais Médicos, nem falam para quando a gente vai ser chamado”, reclamou ainda.

A estimativa do Ministério da Saúde é que 90% dos casos de covid-19 (nome da doença causada pelo novo vírus) serão tratados nos 42 mil postos de saúde do país. A pasta recomenda que apenas os casos mais graves, que apresentem sintomas como febre, dor de garganta e dificuldade respiratória, recebam tratamento hospitalar.

Segundo Perez, a expectativa dos médicos cubanos é justamente atuar nas unidades básicas de saúde, auxiliando na prevenção ao contágio do coronavírus.

“O programa Mais Médicos nos dá um registro médico autorizado pelo ministério. A gente não pode trabalhar em hospitais. Então, nosso trabalho seria em postos de saúde, em unidades básicas, como fizemos por cinco anos”, afirma.

“A maioria de nós trabalhou num período longo no Brasil. Ou seja, conhecemos o SUS (Sistema Único de Saúde), conhecemos como é trabalhar com a população brasileira”, reforça.

Estudantes serão convocados para atuação voluntária

Nesta quinta-feira (19), o Ministério da Saúde também anunciou que convocará estudantes do último ano dos cursos de medicina, enfermagem, fisioterapia e farmácia para trabalhar voluntariamente em postos de saúde e, sob supervisão, em hospitais. Esses estudantes serão treinados nos protocolos de atendimento no caso de coronavírus e receberão um bônus de 10% nas provas de residência médica. Os detalhes dessa iniciativa serão ainda divulgados por meio de portarias.

Além disso, o ministério está fazendo um cadastramento de todos os profissionais de saúde já formados do país, como médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, odontólogos e farmacêuticos, para que possam ser recrutados em caso de aumento da necessidade de força de trabalho.

“Então, já teremos um grande banco de dados daquele profissional que vai estar em casa ou que eventualmente só trabalha em um turno e pode disponibilizar outro turno do seu trabalho se, eventualmente, com o prosseguimento da situação de epidemia, nós necessitarmos de mais força de trabalho”, disse a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro.

Diário da Paraíba com BBC News Brasil

Compartilhe:

No Banner to display


Deixe o seu comentário