Familiares e amigos fazem protesto contra morte de nove pessoas em baile funk

Moradores de Paraisópolis protestam na Rua Ernest Renan, na comunidade, na Zona Sul de São Paulo, na noite deste domingo (1º). A manifestação reúne familiares e amigos das nove pessoas que morreram pisoteadas durante um baile funk, depois de uma perseguição policial seguida de tiros. Pelo menos outras sete pessoas ficaram feridas.

O grupo carrega cartazes e gritam: “Justiça! Justiça!”. Parte deles segue em caminhada até a Avenida Giovani Gronchi. A manifestação é pacífica.

A mãe de uma adolescente de 17 anos ferida disse que a ação policial foi uma emboscada. PM diz que criminosos provocaram.

Ainda de acordo com a polícia, agentes do 16º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (BPM/M) realizavam uma Operação Pancadão na comunidade – a segunda maior da cidade, com 100 mil habitantes – quando foram alvo de tiros disparados por dois homens em uma motocicleta. A dupla teria fugido em direção ao baile funk ainda atirando, o que provocou tumulto entre os frequentadores do evento, que tinha cerca de 5 mil pessoas.

No entanto, a mãe de uma adolescente de 17 anos que estava no local e que foi agredida com uma garrafa disse que os policiais fizeram uma emboscada para as pessoas que estavam no baile.

A jovem ferida durante a confusão descreveu o momento em que foi atingida. “Eu não sei o que aconteceu, só vi correria, e várias viaturas fecharam a gente. Minha amiga caiu, e eu abaixei pra ajudá-la”, afirmou.

“Quando me levantei, um policial me deu uma garrafada na cabeça. Os policiais falaram que era para colocar a mão na cabeça.”

Jovem de 17 anos afirma ter sido agredida com uma garrafa por um PM em Paraisópolis, SP

Segundo a polícia, equipes da Força Tática, ao chegarem para apoiar a ação em Paraisópolis, levaram pedradas e garrafadas. Os policiais, então, teriam respondido com munições químicas para dispersão. Ainda de acordo com informações da polícia, alguém no meio da multidão disparou um tiro, e houve correria.

Durante a confusão, pessoas foram pisoteadas. Elas foram levadas em estado grave ao Pronto Socorro do Campo Limpo. Duas viaturas da PM foram depredadas. O delegado Emiliano da Silva Neto, do 89º DP, afirmou que todas as vítimas morreram pisoteadas e que ninguém foi vítima de disparos (leia mais abaixo).

O governador João Doria (PSDB) lamentou as mortes e pediu “apuração rigorosa” do episódio. O Ouvidor das Polícias, Benedito Mariano, afirmou que “a PM precisa mudar protocolo”.

A diretora-executiva do Instituto Sou da Paz, Carolina Ricardo, afirmou em entrevista à Globo News que a polícia tem de prestar contas do que ocorreu “sem medo de assumir um erro caso tenha havido”.

Clickpb

Compartilhe:

No Banner to display


Deixe o seu comentário