Ricardo Coutinho passa por audiência de custódia nesta sexta; defesa aguarda HC do STJ

O ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) chegou à sede da Polícia Federal (PF), em João Pessoa, por volta das 2h50 desta sexta-feira (20), porém, de forma despercebida. É que os agentes da PF usaram de estratégia para evitar o contato do socialista, que entrou pelo portão dos fundos do prédio, com os vários jornalistas que se aglomeraram em frente à entrada principal em busca de imagens ou de uma possível declaração.

Ao deixar a sede da PF, o advogado Eduardo Cavalcanti, que faz parte da banca de defesa do ex-governador, falou rapidamente com a imprensa. Ele explicou que Ricardo Coutinho passou por todos os trâmites burocráticos ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Natal – Gov. Aluízio Alves, em Natal-RN, inclusive, pela Alfândega, que já realizou exame de corpo de delito, e que está tranquilo e confiante na sua inocência. Eles aguardam que a realização da audiência de custódia ocorra por volta das 10h, na manhã desta sexta-feira.

“Sim [acredita na inocência], é um procedimento de investigação que está no início e foi deflagrado com relação a ele [Ricardo Coutinho] apenas na última terça-feira. (…) Praticamente não falamos sobre [investigação]. Falamos mais sobre o cumprimento desse procedimento da prisão preventiva, e, da audiência de custódia. Ele já fez o exame de corpo de delito, acredito que por volta das 10h, ele passará por audiência de custódia”, disse o advogado.

Minutos antes, o filho de Ricardo Coutinho, Rico Coutinho, chegou à sede da Polícia Federal para deixar objetos pessoais do pai. Alguns militantes da Juventude do PSB e de partidos de esquerda também estiveram no local para protestar contra a prisão preventiva. Eles expuseram faixas e cartazes pedindo a liberdade do ex-governador. Outras pessoas também compareceram para protestar a favor da Operação Calvário.

A PRISÃO

O ex-governador Ricardo Coutinho recebeu voz de prisão ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Natal – Gov. Aluízio Alves, em Natal-RN, por volta das 23h34 desta quinta-feira (19). Ele deixou o local dentro de uma viatura da Polícia Federal, por saída lateral em direção à Superintendência da PF, em João Pessoa.

OPERAÇÃO CALVÁRIO

A denúncia que resultou na sétima fase da Operação Calvário, deflagrada na última terça-feira (17) para cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão contra políticos e empresários, apresentou a hierarquização e divisão da suposta organização criminosa. São quatro núcleos divididos em político, econômico, administrativo e financeiro operacional.

De acordo com o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado da Paraíba (MPPB) o ex-governador é apontando como chefe da suposta organização criminosa que desviou R$ 134,2 milhões de recursos da saúde e educação do Estado.

O MPPB afirma que as investigações apontam que Ricardo Coutinho tinha domínio sobre os demais poderes, incluindo o TCE-PB, que encobriu e ocultou em determinadas situações delituosas que eram centrais no modelo de negócio da estrutura criminosa.

Diário da Paraíba com Primeiras Notícias