No Banner to display

Zeca Baleiro lança CD e ganha elogios em Portugal: ‘Honrado’

Compositor, que divulgou álbum com clássicos do pop português, surpreendeu fãs e compositores homenageados em ‘Canções’Além-mar’.

Zeca Baleiro lançou recentemente Canções d’Além-mar, álbum que homenageia autores portugueses. O CD está disponível nas plataformas digitais do Brasil, Europa e África.

O novo trabalho é fruto da paixão de Zeca pela cena musical mais contemporânea produzida em Portugal. E, por lá, o disco tem sido elogiado por fãs e pelos próprios compositores. “Genial apropriação da minha música (Às Vezes o Amor)”, escreveu Sérgio Godinho nas redes sociais. Do outro lado, Baleiro responde emocionado para o R7: “Isso me deixa muito honrado.”

Além de Godinho, Canções d’Além-mar ainda traz faixas de compositores como Pedro Abrunhosa, Fausto, Zeca Afonso, Rui Veloso e Carlos Tê, Jorge Palma, entre outros. “Ouvi muitos discos e canções nos últimos dez anos até resolver colocar nesse disco. Naturalmente faltaram nomes, sempre faltariam…”, revela o cantor maranhense.

Baleiro também tem feito lives para falar das 11 faixas do álbum com seus homenageados. Depois de Pedro Abrunhosa, João Gil e Sérgio Godinho, nesta segunda-feira (3), a conversa no Instagram será com Rui Veloso, às 17h (hora do Brasil) e 21h (em Portugal).

Para saber mais sobre o CD com clássicos do pop lusitano, veja os destaques do bate-papo do R7 com Zeca Baleiro:

PORTUGAL EM FITA CASSETE

“O começo de tudo foi uma K7 que ganhei de duas amigas, ainda na adolescência, com músicas de Fausto, Vitorino, Zeca Afonso… Foi aí que tive contato com a produção musical portuguesa pós-fado.”

IDÉIA DE CANÇÕES D’ALÉM-MAR

“Desde 2005, quando lancei uma música portuguesa (Frágil, de Jorge Palma) como faixa-bônus da edição local de Baladas do Asfalto e outros Blues, que alimento esse projeto. De lá pra cá, ouvi muitos discos até chegar nas 11 canções finais.”

REPERTÓRIO RICO

“Foi dificílimo montar o repertório de Canções d’Além-mar. Ouvi muitos discos e canções nos últimos dez anos até resolver colocar nesse disco. Naturalmente faltaram nomes, sempre faltariam… E o álbum não contempla a cena mais atual, de 2010 pra cá. Porém, isso pode ser matéria pra um próximo volume, quem sabe (risos).”

RECEPÇÃO DOS PORTUGUESES

“Tenho tido um bom termômetro da recepção de Canções d’Além-mar pelas redes sociais. O álbum é um acontecimento pra eles (portugueses), porque nunca dantes um músico brasileiro dedicou um disco inteiro a esse repertório. Muita gente, de lá e de cá, escreve dando suas impressões… O público elege suas preferidas, isso é bacana. Os próprios compositores têm postado coisas como ‘genial apropriação da minha música (Às Vezes o Amor)’, como escreveu Sérgio Godinho no seu Instagram. O que me deixa muito honrado.”

POP LUSITANO NÃO TOCA NO BRASIL

“Converso bastante com os artistas de lá sobre isso… Há algumas pequenas teses sobre a não-circulação da música portuguesa contemporânea no Brasil. Tem a dificuldade do sotaque, o trânsito pequeno desses artistas por aqui, o fato de as gravadoras brasileiras não terem investido em lançá-los por cá… É uma pena, porque a nossa música lá é muito difundida e amada, porém, a deles é pra nós quase desconhecida. Apesar de o trabalho não ter esse espírito de missão, ficarei feliz se ele puder abrir portas maiores para essa interação musical Brasil-Portugal.”

DIVULGAÇÃO NA QUARENTENA

“É um pouco estranho lançar o CD na pandemia, mas é o que temos pro momento… Canções d’Além-mar já estava todo gravado, só a mixagem foi feita durante a quarentena. Tenho feito lives caseiras no meu instagram para divulgar o disco, sempre com participações de alguns compositores ‘d’além-mar’, como Pedro Abrunhosa, João Gil e Sergio Godinho.”

TURNÊ EM PORTUGAL

“Antes da pandemia, a ideia era lançar Canções d’Além-mar em CD e vinil, além de planos de ir para Portugal fazer o trabalho de divulgação pessoalmente. Com esse quadro, resolvemos lançar por ora apenas nas plataformas digitais brasileiras, europeias e africanas. E, assim que for possível, retomarei os projetos suspensos.”

CLASSE ARTÍSTICA NA PANDEMIA

“Difícil prever o que vai acontecer depois da pandemia… O cenário econômico já estava ruim antes da quarentena e, agora, ficou bem mais difícil e incerto. Ninguém tem idéia de quando voltaremos aos palcos. Pros artistas da música e do teatro, isso é um desastre, porque nossa renda advém basicamente daí. E, com isso, toda uma cadeia de trabalhadores também ficou desempregada. Mas não adianta desesperar, é trabalhar pra restabelecer o ritmo desejado. A fome de arte estará grande quando tudo isso passar. Mesmo considerando que as pessoas estarão mais pobres depois da pandemia, arte é item quase essencial em nossa vida.”

 

Diário da Paraíba com R7


No Banner to display