No Banner to display

Insegurança jurídica aumenta a violência e os conflitos no campo

O presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), João Carlos Jesus Corrêa, esteve na quarta-feira (11) na sede da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal, para reunião com o grupo de trabalho da PFDC que trata sobre direito à reforma agrária.

O diálogo tratou de temas como regularização fundiária, orçamento destinado à política de reforma agrária, o programa nacional de educação, assim como medidas da administração pública que acabam por gerar insegurança jurídica em situações já consolidadas, além de impactarem no aumento da violência e nos conflitos no campo.

Entre as preocupações colocadas pelo Ministério Público Federal esteve a dificuldade que estaria sendo imposta pela autarquia no atendimento de suas Ouvidorias junto a movimentos sociais – tema que, inclusive, foi objeto de uma Recomendação feita pela PFDC ao Incra em fevereiro deste ano.

Acerca da questão, o presidente do Instituto afirmou que os termos da recomendação já foram atendidos e que sua gestão encara como prioritária a interlocução com movimentos sociais que atuam no campo.

“Reputamos como fundamental a presença desses segmentos no diálogo com o Incra. Já recebi sindicatos de toda ordem, grupos representantes de assentados e também pessoas que são do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ou do Movimento de Libertação dos Sem Terra (MLST)”, exemplificou.

De acordo com João Carlos Jesus, a atuação do Incra é técnica e equidistante. “Nosso posicionamento é equidistante em relação a qualquer viés que se queira colocar quanto à missão constitucional que cabe ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Temos adotado sempre um discurso técnico e conversado com todos os segmentos políticos que buscam o Incra”.

A importância das Ouvidorias Agrárias – especialmente na mediação de conflitos – foi pontuada pelo Ministério Público Federal, que chamou atenção para a ausência nos postos de ouvidores agrários em vários estados do país. O problema também afeta as Superintendências do Incra, para as quais há nomeações em 17 unidades, restando outras 13 sem coordenação.

Em junho, um decreto presidencial transferiu para a Casa Civil a atribuição para essas designações. Desde a semana passada, essa atribuição passou a ser do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Segundo o presidente do Incra, a autarquia não tem ingerência alguma sobre essas indicações. “O controle junto às Superintendências permitiria que as políticas na área tenham um direcionamento uniforme”, argumentou o presidente do Instituto.

Os procuradores que integram o Grupo de Trabalho sobre Direito à Reforma Agrária também pontuaram a adoção de rumos e diretrizes da administração pública que podem gerar graves impactos sobre realidades já postas, causando insegurança jurídica, além de acirrar processos de conflitos no campo e subverter a própria finalidade institucional do Incra.

Entre essas medidas estão os chamados mutirões de desistências, no qual a União buscaria acordos de conciliação com proprietários rurais que questionam na Justiça a desapropriação de suas terras para a reforma agrária. O objetivo seria reduzir o número de litígios com proprietários, além de economia de recursos.

A medida foi refutada pelo presidente do Incra, que afirmou que os casos são pontualmente analisados pelo Conselho Diretor do Incra e não se referem a situações consolidadas. “Não existe essa ideia de mutirão, nem de economia simplesmente direcionada a deixar de gastar um recurso vocacionado à reforma agrária. O Incra não é influenciado por discursos inflamados, cuja responsabilidade é de seu emissor – enquanto agente público”, ressaltou.

Diário da Paraíba com Ascom-MPF

Compartilhe:

No Banner to display


Deixe o seu comentário